Uma Orquídea Vermelha bate fortemente na porta do ‘Quarto’ de Harold Pinter

HB Ward e Kirsten Fitzgerald em 'The Room', de Harold Pinter, no A Red Orchid Theatre. (Foto: Michael Brosilow)

Algo está muito, muito errado na pequena cama londrina onde Rose e Bert, um casal de meia-idade, coexistem em um relacionamento que poderia ser descrito como profundamente disfuncional se algo parecido com uma comunicação normal ocorresse entre eles.

'A SALA'



Recomendado

Quando: Até 13 de novembro

Onde: A Red Orchid Theatre, 1531 N. Wells

Ingressos: $ 30 - $ 35

Info: http://www.aredorchidtheatre.org

Tempo de execução: 80 minutos sem intervalo

Rose está claramente apavorada com tudo o que se esconde além das paredes de seu pequeno apartamento aconchegante, seja um som vindo do apartamento úmido do porão abaixo do dela que pode (ou não) estar ocupado, ou o barulho das chaves de seu estranho e solitário senhorio, Sr. Kidd, ou mesmo o inverno gelado que espreita à sua porta. Parece que ela acumula batatas, que são empilhadas em todas as superfícies disponíveis. E além de preparar um bom café da manhã para Bert - que nunca responde a uma palavra de sua tagarelice incessante e está decidido a levar sua van para dar uma volta apesar do mau tempo - Rose parece ter pouco ou nada a fazer a não ser suportar uma terrível estado de ansiedade.

Insegurança, paranóia, medo de estranhos, terror de despejo e deslocamento. Rose é atormentada por todas essas coisas, embora nunca explique totalmente a origem de seus medos. E, claro, as coisas que mais a assustam invadem The Room, a peça arrepiante de Harold Pinter de 80 minutos, agora recebendo uma daquelas produções fascinantes do A Red Orchid Theatre que lembra a intensidade absoluta da atuação que acontece. em seu palco íntimo.

Mierka Girten e Dano Duran em The Room de Harold Pinter, no A Red Orchid Theatre. (Foto: Michael Brosilow)

Mierka Girten e Dano Duran em The Room de Harold Pinter, no A Red Orchid Theatre. (Foto: Michael Brosilow)

A primeira peça de Pinter - escrita e produzida em 1957 - The Room carrega muitas das qualidades que serão desenvolvidas em obras como The Birthday Party, The Dumbwaiter, The Caretaker e outros, que muitas vezes são agrupados como suas comédias de ameaça . Mas não há nada de cômico na produção ferozmente imaginada e profundamente perturbadora do diretor Dado. Sua visão sobre a visão de mundo de Pinter é negra como breu. E se o trabalho cresceu a partir da própria experiência de Pinter de ser evacuado de sua casa quando criança durante a Segunda Guerra Mundial e a Blitz, agora assume um significado um pouco diferente, já que tanto o terrorismo quanto a situação dos imigrantes e refugiados são muito muitas preocupações atuais. Uma sensação de instabilidade está no ar em The Room, com até mesmo as luminárias ligando e desligando como um aviso indecifrável.

Quando conhecemos Rose (Kirsten Fitzgerald, uma atriz de extraordinária concentração e verdade), ela está fritando ovos e bacon para o silencioso e imparcial Bert (HB Ward, uma cifra perfeita). Seu senhorio nervoso e solitário, o Sr. Kidd (Anish Jethmalani, um jogador de Pinter magistral, como ele demonstrou pela primeira vez anos atrás em uma produção de The Caretaker), entra em cena e começa a conversar com propósitos contrários a Rose e a sempre -silent Bert. Ele faz perguntas sobre a propriedade de várias peças de mobília nesta sala - uma que descobrimos que ele uma vez compartilhou com sua irmã, agora falecida. Enquanto isso, ele descasca sem cerimônia uma batata cujas sobras se espalham pelo chão.

Bert e Kidd finalmente vão embora, e Rose fica sozinha, mas não por muito tempo. Entra em cena um casal arrogante em trajes extravagantes - a efusiva Sra. Sands (Mierka Girten, estranhamente charmosa em sua desonestidade) e seu marido, o Sr. Sands (um habilidoso Dano Duran). Eles parecem estar procurando um apartamento, e Rose tem todos os motivos para acreditar que eles estão de olho no dela. E, enquanto ela olha impotente, a Sra. Sands começa a encher o lugar com penas pretas e sem cerimônia empilhar muitos dos pertences de Rose em sua bolsa de viagem ao sair. A perda de controle de Rose só aumenta, mas o pior ainda está por vir.

Liderado pelo Sr. Kidd está Riley (uma reviravolta assustadora de Jo Jo Brown), uma figura esquelética e fantasmagórica batendo na bengala branca dos cegos. Riley (que Pinter especificou como um homem negro, mas que aqui é interpretado como um zumbi sexualmente ambíguo) afirma ter uma mensagem do pai de Rose. Antes de tudo acabar, Bert retorna e se envolve em um ato de brutalidade indescritível.

Quase tudo em The Room é enigmático e aberto a ampla interpretação. Você pode chamar esta peça de estudo das muitas formas de trauma, ou a violência do passivo e agressivo, ou simplesmente nossa impotência diante da desumanidade do homem para com o homem. A moral da história? Você pode se esconder, mas não pode escapar. A segurança é totalmente ilusória.

Os cenários e trajes do show evocam artisticamente o horror do isolamento e da exposição. Afinal, este é um Quarto muito mais infernal do que aconchegante.

HB Ward (à esquerda) e Anish Jethmalani em The Room at A Red Orchid Theatre de Harold Pinter. (Foto: Michael Brosilow)

HB Ward (à esquerda) e Anish Jethmalani em The Room at A Red Orchid Theatre de Harold Pinter. (Foto: Michael Brosilow)