‘Criatura inquieta’ narra a agonia e o êxtase de uma bailarina

Wendy Whelan, uma estrela de longa data do New York City Ballet, é o tema do documentário 'Restless Creature'.

Thomas Hobbes, o filósofo inglês do século 17, descreveu a vida natural da humanidade como solitária, pobre, desagradável, brutal e curta. Com um pouco de edição (acrescentando as palavras apaixonado e belo), essa descrição pode certamente capturar a vida de bailarinos profissionais.

A citação me veio à mente enquanto eu assistia a Restless Creature: Wendy Whelan, o documentário sobre a estrela do balé da cidade de Nova York que continua sendo uma das figuras mais admiradas do balé contemporâneo. O filme, dirigido por Linda Saffire e Adam Schlesinger (e recebendo sua estréia em Chicago no Gene Siskel Film Center esta semana), é uma crônica íntima e muitas vezes comovente de como Whelan - que teve uma carreira excepcionalmente longa e distinta - foi forçado a negociar com uma transição emocional e fisicamente agonizante. Pois em 2013, aos 46 anos - e depois de 30 anos com a empresa que era sua vida - ela foi forçada a se aposentar e a repensar o próximo passo.



Nascida em Louisville, Kentucky, em 1967, Whelan teve sua primeira aula de dança aos três anos de idade. Aos 17 anos, ela foi convidada a ingressar no lendário New York City Ballet como aprendiz, e dois anos depois ingressou no corpo de balé. Em 1989 foi promovida a solista e em 1991 foi nomeada dançarina principal. Embora nunca tenha trabalhado com o fundador da empresa, George Balanchine (ele morreu em 1983), ela interpretou muitos de seus trabalhos mais desafiadores, bem como balés de Jerome Robbins, Peter Martins, William Forsythe e muitos outros, e se tornou uma espécie de musa de Christopher Wheeldon e Alexei Ratmansky. Com seu corpo fino como um graveto e extrema flexibilidade e força, ela trouxe uma delicadeza e angularidade de canivete para sua dança.

E então aconteceu. Whelan, notavelmente sem lesões ao longo das décadas, começou a sentir algumas dores preocupantes no quadril. Ela tinha 46 anos - bem mais que a idade em que a maioria dos bailarinos deixam o palco. E então Martins, diretor artístico da empresa, chamou-a em seu escritório e, sem cerimônia, informou que ela não iria dançar O Quebra-Nozes como costumava fazer. Ele também deixou claro que ela deveria pensar em se aposentar - uma ideia que a deixou atordoada e arrasada. Quase imediatamente, também a deixou se sentindo mais incapacitada fisicamente. Mas ela não estava disposta a se submeter tão facilmente, e não estava preparada para perder sua identidade.

Se eu não dançar, prefiro morrer, ela diz a certa altura. E embora isso possa soar melodramático, é a resposta natural de alguém que devotou de corpo e alma à sua arte com uma disciplina quase semelhante à de uma freira.

O que se segue é um relato passo a passo de suas sessões com fisioterapeutas e sua decisão de se submeter a uma cirurgia pela primeira vez em sua vida. O procedimento cirúrgico é filmado da maneira mais gráfica, com o médico de Whelan descobrindo danos suficientes em sua articulação para fazê-lo se perguntar como ela conseguia dançar até então.

A bailarina Wendy Whelan dá sua última reverência nesta cena de Restless Creature: Wendy Whelan. | Abramorama

A bailarina Wendy Whelan dá sua última reverência nesta cena de Restless Creature: Wendy Whelan. | Abramorama

O extenuante processo de reabilitação pós-operatória (das muletas, aos alongamentos e fortalecimentos, ao retorno às aulas que a encontra se esforçando demais) é contraposto por suas conversas com outras bailarinas que já se aposentaram. Todos confessam a dor emocional de não a dança nunca desaparece totalmente.

Mas Whelan não vai suavemente para as asas do teatro no Lincoln Center, onde passou três décadas. Ela retorna para se apresentar durante a temporada de primavera da empresa e, em seguida, planeja sua apresentação de despedida em outubro de 2014, que contará com um novo trabalho em duas partes coreografado especialmente para ela por Wheeldon e Ratmansky. É uma grande noite, com muitos laços, um palco repleto de flores e a homenagem dos seus companheiros bailarinos.

No entanto, não é o fim, pois Whelan já estava ocupada fazendo planos para seu próximo capítulo - elaborando seu próprio projeto, Restless Creature, um programa de novos duetos de quatro jovens coreógrafos, todos os quais também seriam seus parceiros. Esse programa chegou ao Harris Theatre for Music and Dance de Chicago em janeiro de 2014 e, desde então, teve uma segunda encarnação.

Como ela própria admitiu, toda a provação forçou Whelan a crescer - lamentando as mudanças que vêm com a idade, desistindo e depois seguindo em frente da maneira mais criativa possível. Durante todo o filme, você pode ver a angústia, o alívio e a alegria passando por seu rosto longo e anguloso - um que Modigliani adoraria pintar. E Whelan esconde muito pouco neste retrato de coragem.

‘CRIATURA RESTLESS: WENDY WHELAN’

★★★ 1/2

Abramorama apresenta filme dirigido por Linda Saffire e Adam Schlesinger. Sem classificação MPAA. Tempo de execução: 94 minutos. Estreia sexta-feira no Gene Siskel Film Center.